Rainha Margarida da Dinamarca reúne filhos e netos para celebrar 50 anos de reinado

Na sexta-feira, dia 14, comemorou-se os 50 anos de reinado da rainha Margarida da Dinamarca.



Para assinalar a data especial, foi tirada uma fotografia que mostra a monarca, de 81 anos, rodeada pelos filhos e netos.

A imagem foi partilhada na conta de Instagram da coroa dinamarquesa e mostra a rainha com os filhos, o príncipe Frederik e a mulher, a princesa Mary, com os seus quatro filhos, o príncipe Christian, de 16 anos, a princesa Isabella, de 14, e os gémeos Vicent e Josephine, de 11 anos. Surgem ainda o príncipe Joachim com a mulher, a princesa Marie, com os filhos, o príncipe Henrik, de 12 anos, a princesa Athena, de 9, assim como os filhos que Joachim teve do primeiro casamento: o príncipe Nikolai, de 22, e o príncipe Felix, de 19. Na fotografia aparece ainda a princesa Benedikte, de 77 anos, irmã mais nova da rainha Margarida.

Toda a família surge com roupa de gala, indo o destaque para a rainha, que surge roxo em cetim e com rendas. A princesa Marie, por seu lado, usou uma criação Elie Saab preta, enquanto a pricesa Maru optou por uma peça púrpura.



5 curiosidades sobre a rainha Margarida da Dinamarca no dia em que celebra 50 anos de reinado


Dia de celebração na Dinamarca. Na última sexta-feira, 14 de janeiro, a rainha Margarida celebra 50 anos de reinado, uma data muito especial, que deveria ser celebrada com diversos eventos, que acabaram por ser adiados para o verão, devido à sexta onda da pandemia. Neste dia em que comemora o seu Jubileu de Ouro, recorde 5 curiosidades sobre a rainha dinamarquesa.


1. Só se tornou rainha devido à alteração de uma lei.

A Lei da Sucessão de 27 de março de 1953 introduziu a sucessão feminina, uma alteração que aconteceu depois de os reis Frederico IX e Ingrid terem tido apenas três filhas – Margarida, Ana Maria e Benedita – pelo que era necessário que a lei fosse alterada para que a mais velha pudesse reinar. A partir dessa altura as mulheres passaram a poder reinar na Dinamarca, mas apenas se o rei não tivesse nenhum filho homem.

Margarida subiu ao trono em 1972, sendo a primeira rainha a assumir a Coroa após a alteração da lei. Décadas mais tarde, em 2009, a Lei da Sucessão voltou a ser alterada, desta vez para ser introduzida a igualdade na sucessão. Assim, o filho mais velho do monarca, independentemente do género, é o herdeiro da Coroa.


2. É irmã de outra rainha

Duas das três filhas dos anteriores reis da Dinamarca tornaram-se rainhas. Margarida subiu ao trono em 1972, mas antes dela já a sua irmã Ana Maria tinha sido coroada rainha da Grécia. A segunda filha dos reis Frederico IX e Ingrid casou-se com Constantino da Grécia em setembro de 1964, tendo reinado desde essa altura, até à abolição da monarquia na Grécia, em 1973.


3. Casou-se com Henrik de Monpezat, um conde francês

Em junho de 1967, a então princesa herdeira da Dinamarca casou-se com Henrik de Laborde, conde de Monpezat. Depois do enlace, Henrik adquiriu o título de príncipe, ainda que durante grande parte da sua vida se tenha mostrado descontente por ter esse título e não o de rei consorte. Tiveram dois filhos, o príncipe herdeiro Frederico e o príncipe Joaquim.

Com o marido, a rainha partilhava o gosto pela cultura: o príncipe foi autor de livros de poemas e de memórias e em alguns a rainha foi a autora das ilustrações. Henrik retirou-se da vida pública em 2016, dois anos antes da sua morte, aos 83 anos. Em 2017, a Casa Real informou que o príncipe sofria de demência, motivo pelo qual terá deixado a vida pública.


4. É apaixonada pelas artes

Se não tivesse nascido já com o destino traçado, provavelmente Margarida da Dinamarca teria sido artista, isto porque desde a década de 1970 que se dedica a diferentes formas de arte, como a pintura, a ilustração de livros, o desenho e os bordados, entre outras. Grande parte dos seus trabalhos já foram exibidos em exposições na Dinamarca e também em países estrangeiros.


5. Não pensa em abdicar

Aos 81 anos, Margarida II não demonstra vontade de abdicar da Coroa a favor do filho mais velho, o príncipe Frederico. Continua a ter uma agenda preenchida, com vários atos oficiais e viagens ao estrangeiro, e pretende manter-se como Chefe de Estado, ainda que considere que o filho está apto para assumir o papel de rei quando esse momento chegar. Margarida afirmou uma vez, em entrevista, que “a missão de ser rainha é para a vida toda”.