Saiba por que o Príncipe Philip, marido da Rainha Elizabeth II, não é Rei

A questão continua sendo motivo de dúvidas por muitas pessoas ao redor do mundo mesmo após quase 73 anos de casamento entre o Duque de Edimburgo e a monarca



Philip, marido da rainha Elizabeth II, nasceu como príncipe da Dinamarca e da Grécia, mas foi obrigado a abandonar seus títulos para poder se casar com a monarca, e tornou-se apenas Philip Mountbatten.


Rainha Elizabeth e Príncipe Philip durante a abertura do parlamento em 2015 - Getty Images

Entretanto, para não deixar o amado sem cargos, Elizabeth o concedeu diversos títulos, incluído o de Sua Alteza Real, o Príncipe Philip e Duque de Edimburgo. Mas, por que o marido da rainha não é rei?


Príncipe Philip, o Duque de Edimburgo / Créditos: Getty Images

Segundo as leis britânicas, apenas monarcas homens concedem o título para as esposas, tornando-as rainhas. Então, de acordo com essa lógica, Camilla Parker-Bowles, esposa do Príncipe Charles, o primeiro na linha de sucessão, se tornará rainha consorte assim que Elizabeth morrer e o marido assumir o trono.

Entretanto, quando se trata de monarcas mulheres, a lei muda. A princesa que assumir o trono, e se tornar rainha, não passará o título de rei consorte para o marido. Foi uma forma encontrada de evitar que a linhagem real não passe para a família do homem.


Príncipe Philip durante a cerimônia de coroação da rainha Elizabeth II / Créditos: Getty Images

Dessa forma, quando o rei George VI faleceu, em 6 de fevereiro de 1952, Philip não teve o direito de se tornar rei e, apenas Elizabeth recebeu o cargo de rainha. Durante a cerimônia de coroação, o Duque de Edimburgo teve que se ajoelhar aos pés de sua esposa e jurar honrá-la e obedecê-la, conforme diz a tradição, em uma curiosa contradição: na época, apenas as mulheres juravam honrar e obedecer durante a cerimônia de casamento.